FRIDA KAHLO 110 ANOS

CRÍTICA DO FILME DE JULIE TAYMOR