9   +   4   =  
Pôster da 42ª Mostra de São Paulo, por Laurie Anderson - Foto: Mostra de SP/Divulgação

Pôster da 42ª Mostra de São Paulo, por Laurie Anderson – Foto: Mostra de SP/Divulgação

De 18 a 31 de outubro, São Paulo recebe a 42ª edição da Mostra Internacional de Cinema, que reúne uma enorme variedade de filmes do mundo todo. São mais de 300 títulos, apresentando um belo panorama da produção cinematográfica contemporânea. As sessões acontecem em mais de 30 espaços, entre cinemas, espaços culturais e museus espalhados pela capital paulista, incluindo exibições gratuitas e ao ar livre, e também em Campinas. “A Favorita”, de Yorgos Lanthimos, vencedor do Grande Prêmio Especial do Júri e da Copa Volpi de Melhor Atriz para Olivia Colman no Festival de Veneza, abre o evento no dia 17, em sessão para convidados no Auditório Ibirapuera.

Este ano, a mostra vai exibir longas que ganharam os prêmios de melhor filme nos grandes festivais estrangeiros, como o mexicano “Roma”, de Alfonso Cuáron, que faturou o Leão de Ouro no Festival de Veneza e encerra a programação no dia 31; o cingapuriano “Uma Terra Imaginada”, de Siew Hua Yeo, que recebeu o Leopardo de Ouro no Festival de Locarno; e o romeno “Não Me Toque”, da diretora Adina Pintili, vencedora do Urso de Ouro no Festival de Berlim.

Entre as homenagens, o japonês Hirokazu Kore-eda receberá o Prêmio Humanidade. Seu trabalho mais recente, “Assunto de Família”, ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes deste ano, e também integra a programação. Outro Prêmio Humanidade será concedido a Drauzio Varella, que também participa da mesa “Da Vida à Palavra; Da Palavra à Imagem”, no II Fórum Mostra. O centenário do líder sul-africano Nelson Mandela também será lembrado com  exibição de quatro títulos, entre eles o inédito “O Estado Contra Mandela” e “Os Outros”, de Gilles Porte e Nicolas Champeaux, que integrou a seleção do Festival de Cannes; e “Invictus”, de Clint Eastwood.

Cinema brasileiro

"Central do Brasil" (1998) - Foto: Divulgação

“Central do Brasil” (1998) – Foto: Divulgação

A 42ª Mostra vai exibir cerca de 70 títulos brasileiros incluídos nas seções Apresentação Especial, Competição Novos Diretores e Perspectiva Internacional. Comemorando 20 anos de “Central do Brasil”, filme dirigido por Walter Salles e protagonizado por Fernanda Montenegro, haverá exibição inédita no país da cópia restaurada, com a presença do diretor e do elenco principal. Também ganham sessão especial a cópia restaurada de “O Bandido da Luz Vermelha”, de Rogério Sganzerla, e o longa “O Bravo Guerreiro”, de Gustavo Dahl, que comemoram 50 anos de lançamento.

O público também verá “Feliz Ano Velho”, de Roberto Gervitz, que completa 30, e “Pixote – A Lei do Mais Fraco”, do diretor Héctor Babenco, em cópia restaurada.  A sessão de “Pixote” será aberta pelo curta “Conversa com Ele”, de Bárbara Paz. Já na tradicional programação apresentada no Vão Livre do Masp, o destaque vai para títulos como “As Canções”, de Eduardo Coutinho, e “Ópera do Malandro”, de Ruy Guerra.

Grandes nomes com filmes inéditos

"A Casa que Jack Construiu" (2018) - Foto: Divulgação

“A Casa que Jack Construiu” (2018) – Foto: Divulgação

Além da exibição do inédito “A Casa que Jack Construiu”, de Lars von Trier, a mostra revisita a obra do diretor com sessões de outros três longas: “Ondas do Destino”, “Europa” e “Elemento de um Crime”. A programação ainda vai apresentar os mais recentes filmes do cineasta israelense Amos Gitai: a ficção “Uma Carta para um Amigo em Gaza” e o documentário “Um Trem em Jerusalém”, além do média-metragem de 1980, “A Casa”, em sessão especial.

Mantendo a tradição, a Mostra também apresentará os representantes de vários países no Oscar 2019, incluindo o brasileiro “O Grande Circo Místico”, de Cacá Diegues, e também: o argentino El Ángel”, de Luis Ortega, o polonês Guerra Fria”, de Pawel Pawlikowski, o português Peregrinação”, de João Botelho, o turco A Árvore dos Frutos Selvagens”, de Nuri Bilge Ceylan, o islandês Uma Mulher em Guerra”, de Benedikt Erlingsson, o sul-coreano Em Chamas”, de Chang-Dong Lee, e o eslovaco O Intérprete”, de Martin Šulík.

Confira abaixo outros destaques da programação divulgadas pela organização:

– Integra a programação o longa vencedor de melhor roteiro no Festival de Cannes, “3 Faces”, do cineasta iraniano Jafar Panahi, que receberá o Prêmio Leon Cakoff desta edição;

“A Caixa de Pandora” (Die Büchse der Pandora, 1929), longa alemão dirigido por Georg Wilhelm Pabst, será projetado na área externa do Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer com acompanhamento da Orquestra Jazz Sinfônica;

– Entre as cerca de 30 obras latinas, a 42ª Mostra destaca dois títulos de Fernando Solanas, premiado cineasta argentino que estará presente durante o evento: “La Hora de Los Hornos” e o inédito “Viaje A Los Pueblos Fumigados”

– A cópia restaurada da série alemã “Oito Horas Não São Um Dia”, de Rainer Werner Fassbinder, marca as sessões de obras que retratam o pensamento de Karl Marx (1818-1883), cujo bicentenário é comemorado neste ano pela 42ª Mostra e pelo Instituto Goethe. Também serão exibidos filmes como “Trabalhos Ocasionais de uma Escrava”, de Alexander Kluge, e “Marx Reloaded”, de Jason Barker

– Os 30 anos do lançamento no Brasil do premiado “Asas do Desejo”, de Wim Wenders, serão comemorados com uma exibição da cópia restaurada do longa

cinematório estará na 42ª Mostra e a cobertura completa será feita pelo jornalista e crítico de cinema Daniel Oliveira. Não perca!

%d blogueiros gostam disto: