cinematório awards 2009! Troféus Especiais

Troféu “Quentin Tarantino” para o que de mais “cool” apareceu na tela

Indiana Jones – porque, afinal de contas, se a aventura tem um nome, o nome é esse.



Troféu “Cera de Carnaúba” para o mais cara de pau do ano

Guy Ritchie, por descaradamente fazer o mesmo filme pela terceira vez com “RocknRolla”

Troféu “Touro Incansável” para quem adora fazer papel de corno

Embora Pierce Brosnan não tenha um vasto currículo de personagens cornúpetos (ao contrário de James Marsden, nosso imbatível campeão), em “Encurralados”, o ex-007 tem uma performance memorável. Na verdade, o prêmio deveria ir para o roteirista William Morrissey, por ter escrito diálogos tão cheios de (re)sentimentos. Seria um filme autobiográfico?

Assista! ATENÇÃO: SPOILER!

Troféu “Precisou, Tô Lá!” para quem mais apareceu nas telas no espaço de um ano

Pela primeira vez, temos um brasileiro premiado nesta categoria! Leonardo Medeiros, por “Feliz Natal”, “Nossa Vida Não Cabe Num Opala”, “Terra Vermelha”, “Fim da Linha”, “Corpo” e “5 Frações de uma Quase História” (sem contar a novela das oito!).

Troféu “John Travolta” também conhecido como “Agora Não Dá Mais” ou “Empurrão à Beira do Abismo”

Jessica Alba, por ter conseguido emplacar dois filmes entre os 10 piores do ano (“Awake – A Vida por Um Fio” e “O Olho do Mal”), além de ter aparecido em coisas como “Maldita Sorte” e “The Love Guru” (esse nem precisou chegar ao Brasil). Beleza demais, talento de menos.

Troféu “James Bond” para a cena mais inverossímil do ano

Nicolas Cage invadindo o Palácio de Buckingham, a Casa Branca e ainda seqüestrando o Presidente dos Estados Unidos em “A Lenda do Tesouro Perdido: O Livro dos Segredos”.

Troféu “Só Sobrou Você” para o pior casting

Em um ano em que um dos principais lançamentos foi “Ensaio Sobre a Cegueira”, tivemos Jessica Alba, em “O Olho do Mal”, e Woody Harrelson, em “Sete Vidas”, com duas das mais terríveis interpretações de cegos da história do cinema.

Troféu “Ops! Eu Acho que Li o Roteiro Errado” para bons atores em filmes medíocres

Robert De Niro e Al Pacino, por “As Duas Faces da Lei”

Troféu “Mofei na Gaveta (e devia ter ficado lá)” para filmes que demoraram anos para sair e não vingaram

“Corrida Mortal”, de Paul W.S. Anderson.

Oscar Confiscado de quem não é mais digno de ter o careca na estante

Robert De Niro e Al Pacino, por “As Duas Faces da Lei”. Em 2007, De Niro havia ameaçado uma reação aos fracassos de sua carreira nos últimos anos. Mas aí vem esse policial meia-boca e não tem jeito. Pelo menos, ele tem duas estatuetas. Fica com uma. Já Pacino precisa urgentemente de uma reinvenção, porque, convenhamos, não dá mais para aguentar ele se imitando o tempo todo.

Troféu “Wong Foo”

Ziro, the Hutt, em “Star Wars: The Clone Wars”. Quem diria, tio Lucas! O primeiro personagem assumidamente gay em “Star Wars” aparece logo em uma animação para crianças.

Troféu “Estão Perdoados!” para quem só vinha fazendo bombas e finalmente fez algo que preste

Ben Affleck, por “Medo da Verdade”

Troféu “Scooby Doo, meu filho, cadê você!?” para quem estava sumido há muito tempo e finalmente deu sinal de vida

Fox Mulder e Dana Scully, em “Arquivo X: Eu Quero Acreditar”

Troféu “What the fuck!?” para o que quase fez você surtar na poltrona do cinema

“[REC]”, de Jaume Balagueró e Paco Plaza. Assista que você vai entender.

Troféu John Carpenter para os salvadores do cinema de horror

Jaume Balagueró e Paco Plaza, por “[REC]”, José Mojica Marins, por “Encarnação do Demônio”, e Juan Antonio Bayona, por “O Orfanato”. É a força latina tomando para si a responsabilidade de fazer filmes de qualidade nesse tão subestimado gênero.

%d blogueiros gostam disto: