Reflexões de um Liquidificador

Parte crônica, parte conto de humor negro, “Reflexões de um Liquidificador” é uma agradável surpresa do cinema nacional em 2010.

Dirigido por André Klotzel, de “A Marvada Carne” e “Memórias Póstumas”, o filme bem podia ser uma adaptação de um texto de Luís Fernando Veríssimo ou de Nelson Rodrigues em seus dias mais sarcásticos. O tom e a forma do texto da narração em off de Selton Mello, que dubla o liquidificador do título, são próprios da literatura brasileira. Ao mesmo tempo, o longa-metragem dialoga com outras duas produções recentes do nosso cinema que adotam atmosfera semelhante, em que a perversão surge em meio ao cotidiano de pessoas (aparentemente) comuns. São elas: “Durval Discos”, de Anna Muylaert, e “Estômago”, de Marcos Jorge. Remete também ao clássico curta “Vereda Tropical”, de Joaquim Pedro de Andrade, no qual Cláudio Cavalcanti também desenvolve uma relação (bem) mais próxima com um objeto inanimado: uma melancia.



No filme de Klotzel, enquanto Selton Mello faz um trabalho de voz adequado na pele, ou melhor, nas peças de um liquidificador que ganha consciência após ter suas hélices trocadas, Ana Lúcia Torre interpreta Elvira, senhora casada que é surpreendida pelo sumiço do marido (Germano Haiut). A veterana atriz entrega uma grande atuação de demônio com cara de anjo, fundamental para que o espectador seja envolvido pelo mistério proposto pelo enredo e desenvolvido com segurança por Klotzel na direção.
Diferente de alguns cineastas veteranos que parecem ter perdido a mão para filmar na fase da retomada do nosso cinema, Klotzel movimenta e posiciona muito bem a câmera, longe de virtuosismos e capenguices que costumam manchar o trabalho de diretores mais badalados pela mídia. Temos em Klotzel e “Reflexões de um Liquidificador” um tipo de cinema original, sem moralismo estético ou temático, que devia ser mais praticado no país. Afinal, estamos diante de um filme em que um eletrodoméstico consegue ser um personagem interessante e bem desenvolvido. Quem poderia imaginar isso?
Filme ainda conta com pontual e bem executada trilha sonora de Mário Manga e boa participação do elenco de apoio, com destaque para Fabíula Nascimento(“Estômago”, série “Força Tarefa”). Sua personagem, a vizinha Milena, é uma frivolidade dentro da história, mas funciona perfeitamente como um espirituoso alívio cômico.
Reflexões de um Liquidificador (2010, Brasil)
direção: André Klotzel; roteiro: José Antônio de Souza; fotografia: Uli Burtin; montagem: Letícia Giffoni; música: Mário Manga; produção: André Klotzel; com: Ana Lúcia Torre, Selton Mello (voz), Germano Haiut, Fabíula Nascimento, Aramis Trindade, Marcos Cesana, Eduardo Sofiati, André Guerreiro Lopes, Gorete Milagres, Zecarlos Machado; estúdio: Brás Filmes, Aurora Filmes; distribuição: Brás Filmes. 80 min
%d blogueiros gostam disto: