Cisne Negro

“Cisne Negro” começa com um sonho, e o restante do filme não deve ser encarado como “realidade”. Apesar de Darren Aronofsky filmar com câmera na mão em grande parte do tempo, acompanhando, praticamente perseguindo a personagem de Natalie Portman, em casa, nas ruas e nos ensaios de balé, o filme todo é um delírio. E não, eu não estou contando o final. Desde o início, a bailarina interpretada por Natalie tem devaneios que a deixam confusa sobre o que é real e o que é ilusão. O público não tem de montar nenhum quebra-cabeça e recebe, nessa visão dúbia da protagonista, o passaporte para uma jornada obscura por dentro da personalidade da jovem.

Num estudo de personagem bastante peculiar, que quase se transforma num filme de horror, “Cisne Negro” apresenta Natalie numa performance singular em sua carreira. Ela consegue atuar para dentro, interiorizando a timidez e a fragilidade psíquica de Nina durante os dois primeiros terços do filme para, no ato final, explodir em sua transformação. Sua atuação aqui é o que se chama de “tour de force”. Natalie carrega o filme e o público junto de si. A reação da plateia pode ser física em determinadas cenas, tamanho o envolvimento que as imagens podem exercer sobre o espectador. Aí, sim, não posso me estender muito para não contar o filme todo. Mas é impressionante, e até perturbadora, a forma como você é “levado” junto de algumas cenas mais intensas.



Aronofsky afirmou, antes de lançar o filme, que “Cisne Negro” e seu longa anterior, “O Lutador”, devem ser vistos como filmes que se complementam. Ele não poderia ter sido mais sincero. Os longas são parecidos não apenas no estilo, mas também nas temáticas e espaços que exploram. Apesar de serem situados em universos teoricamente opostos, os longas mostram que a luta-livre e o balé não estão tão distantes assim. Enquanto o Randy “The Ram” de Mickey Rourke revela delicadeza por trás da pancadaria, a Nina de Natalie mostra que a dança também é um exercício de brutalidade. Como a dança, a luta é ensaiada, tem treinamentos, música, fantasias. E o balé se revela um verdadeiro combate entre meninas que disputam o melhor lugar no palco.

Mas a principal relação entre “Cisne Negro” e “O Lutador” está mesmo é na construção dos personagens. Ambos os protagonistas têm uma relação extrema com seus corpos. Mais que apenas trabalho, lutar e dançar é a vida deles, e Randy e Nina dependem do físico para darem sentido às suas existências, o que acaba deixando-os frágeis emocionalmente. Mas enquanto o lutador deRourke tenta se afastar dessa dependência para sobreviver, a dançarina de Natalie é sugada por ela. São duas histórias sobre obsessão: tanto Randy quanto Nina querem ser perfeitos e atender a cobranças internas e externas. A grande tragédia é que essa perfeição é inalcançável.

São dois grandes filmes e, com eles, Aronofsky finalmente alcança consistência em sua obra. Enquanto um ecoa o outro o tempo todo, rimando inclusive em seus desfechos, o vínculo com os trabalhos anteriores do cineasta é frouxo. Depois da ambição fracassada de “Fonte da Vida”, feito após os cultuados, mas adolescentes “Pi” e “Réquiem Para um Sonho”, podemos dizer que a maturidade bateu à porta do diretor.

Cisne Negro (Black Swan, 2010, EUA)
direção: Darren Aronofsky; roteiro: Mark Heyman, Andres Heinz, John J. McLaughlin; fotografia: Matthew Libatique; montagem: Andrew Weisblum; música: Clint Mansell; produção: Scott Franklin, Mike Medavoy, Arnold Messer, Brian Oliver; com: Natalie Portman, Mila Kunis, Vincent Cassel, Barbara Hershey, Winona Ryder, Benjamin Millepied, Ksenia Solo; estúdio: Protozoa Pictures, Phoenix Pictures, Cross Creek Pictures; distribuição: 20th Century Fox. 108 min

%d blogueiros gostam disto: