Corte Rápido: O QUARTO DE JACK

O Quarto de Jack (Room, 2015)

Dois olhares guiam a narrativa de “O Quarto de Jack” (Room, 2015), drama norte-americano que concorreu ao Oscar 2016 em quatro categorias principais: Filme, Direção, Roteiro Adaptado e Atriz. Nesta última, saiu vencedor pela boa atuação de Brie Larson, intérprete da mãe do garotinho protagonista do longa e dona de um dos olhares citados na abertura do texto.

Apesar de mãe e filho passarem a maior parte do tempo juntos, a forma como enxergam o mundo não poderiam ser mais diferentes, assim como a forma como os seus olhares são representados na tela pelo diretor Lenny Abrahamson (do espirituoso “Frank”). Com inteligência e sutileza, sem utilizar filtros, lentes distintas ou qualquer outra trucagem, ele simplesmente usa o enquadramento e a movimentação da câmera para alternar entre os pontos de vista.



O olhar que predomina, e com razão, é o de Jack (papel de Jacob Tremblay, que também poderia ter concorrido ao Oscar, visto que está melhor até do que outros atores mirins indicados em edições anteriores da premiação). Em vários momentos, o olhar dele é também o nosso, através de planos subjetivos usados em momentos como aquele em que o menino é colocado dentro do armário por sua mãe, enquanto o homem que os aprisiona em um minúsculo galpão vem visitá-la. Porém, mais interessante é observar como o Abrahamson utiliza a câmera quando filma Jack após a fuga do Quarto. Mesmo quando ele já se encontra em ambientes muito mais amplos, seja na rua, no hospital ou na casa da avó, o cineasta filma o menino bem de perto, de modo a nos dar a sensação do espaço reduzido em que o garoto ainda vive, já que passou os cinco anos de sua vida enclausurado.

O longa não é inteiramente filmado com essa proximidade, não é um recurso gratuito usado pelo diretor, mas uma estratégia para cenas específicas. Ele também filma planos mais abertos, e mesmo o olhar a mãe, que também ficou trancafiada com o filho, representa uma visão diferente do mundo, pois, afinal, ela já o conhecia antes de ser sequestrada.

Baseado no livro de Emma Donoghue, que ela mesmo adaptou para o cinema, “O Quarto de Jack” transforma em fábula uma história que podia estar em um filme policial, e que de forma sensível reflete sobre o quanto a liberdade é essencial e o quanto ela talvez não seja valorizada por quem nunca a perdeu — ou, no caso de Jack, quem nunca a teve. ■

[A ideia do Corte Rápido é fazer um comentário simples, seja uma primeira impressão sobre um lançamento, seja uma breve reflexão sobre um filme revisto recentemente.]

%d blogueiros gostam disto: