"Mulan" (2020) - Distribuição: Disney
"Mulan" (2020) - Distribuição: Disney

Disney+ no Brasil é oficializado, mas sem preço e sem “Mulan”

A Disney anunciou oficialmente hoje o lançamento de seu serviço de streaming, o Disney+, para novembro no Brasil. Fãs do estúdio e de suas produções — bem como fãs da Marvel, de Star Wars e da Pixar — aguardavam informações desde o ano passado, quando a plataforma começou a operar nos Estados Unidos. Porém, o tão esperado anúncio veio incompleto: o preço em reais da assinatura não foi divulgado e a estreia de “Mulan” também não foi mencionada. Procuramos os representantes da Disney no Brasil e eles afirmaram que ainda não têm essas informações.

Nos EUA, a assinatura mensal do Disney+ custa 6,99 dólares. Na conversão direta pela cotação atual do dólar (em torno de 5,40 reais), o valor no Brasil ficaria perto de 38 reais — preço que estaria acima do praticado pela HBO Go, por exemplo, mas abaixo do plano premium da Netflix. Há especulação de que o preço da assinatura brasileira será de 28,90 reais, mas, mais uma vez, a Disney nos disse que não tem essa informação confirmada.

Disney+
Disney/Divulgação

Sobre “Mulan”, a Disney anunciou na semana passada que o longa será oferecido a clientes da sua plataforma (nos EUA e em outros países selecionados) a um preço de 29,99 dólares, a partir de 4 de setembro. É necessário ser assinante do serviço, no entanto. Dessa forma, o valor total sobe para cerca de 37 dólares (ou 200 reais, na conversão direta). Uma vez que o espectador pagar, ele terá acesso ao filme para ver quantas vezes quiser, enquanto for assinante.

Nos países em que “Mulan” for disponibilizado no Disney+, o blockbuster — uma versão live-action da clássica animação dos anos 90 — não terá lançamento nos cinemas. Como o serviço de streaming só estará disponível no Brasil em novembro, ainda há chance de o filme ser exibido na telona por aqui. Porém, o estúdio ainda não havia marcado uma nova data até a publicação desta matéria. O longa seria lançado originalmente em 27 de março, mas teve a estreia adiada mais de uma vez por conta da pandemia de Covid-19, que obrigou os cinemas a fecharem as portas.

E o Baby Yoda?

Quanto à segunda temporada da série de Star Wars, “The Mandalorian”, a Disney afirmou que a estreia no Disney+ no Brasil será junto com os EUA. Porém, os episódios começarão a ser exibidos lá em outubro. A primeira temporada teve um episódio liberado por semana, e não todos de uma vez. Portanto, caso a estratégia se repita, é possível que o Disney+ brasileiro seja lançado em novembro já com os episódios disponibilizados nos EUA e, então, acompanhe simultaneamente a exibição dos inéditos.

"The Mandalorian" (2019) - Distribuição: Disney
“The Mandalorian” (2019) – Distribuição: Disney

Com relação às séries da Marvel, a Disney afirma que o lançamento será simultâneo no Brasil e nos EUA, mas ainda não há datas. As três primeiras séries confirmadas são: “Falcão e o Soldado Invernal”, que reúne Sam Wilson/Falcão (Anthony Mackie) e Bucky Barnes/O Soldado Invernal (Sebastian Stan) após os eventos de “Vingadores: Ultimato”; “WandaVision”, série de comédia na qual Wanda Maximoff (Elizabeth Olsen) e Visão (Paul Bettany) levam uma vida suburbana ideal até começarem suspeitar que nem tudo é o que parece; e “Loki”, na qual Tom Hiddleston reprisa seu papel como o irmão de Thor e que também se passa depois de “Vingadores: Ultimato”.

Entre outros conteúdos, o Disney+ ainda trará oficialmente ao Brasil o musical “Hamilton”, a versão live-action de “A Dama e o Vagabundo”, a série original da National Geographic “The Right Stuff” e as coleções completas dos curtas animados “SparkShorts” e “Forky Asks a Question”, da Pixar.

A Disney não citou o filme musical de Beyoncé, “Black is King”, inspirado em “O Rei Leão”, mas é esperado que a produção (lançada nos EUA e em outros países em 31 de julho) também faça parte do catálogo brasileiro.

%d blogueiros gostam disto: