"Nova Ordem" (Nuevo Orden, 2020), de Michel Franco - Divulgação
"Nova Ordem" (Nuevo Orden, 2020), de Michel Franco - Divulgação

Reinventada, 44ª Mostra de SP apresenta 198 filmes de 71 países

Com o fechamento de várias salas de cinema para evitar o contágio e a necessidade de ter que se reinventar para se adequar à pandemia do novo coronavírus, o maior e mais importante festival de cinema de São Paulo, a Mostra Internacional de Cinema, ocorre este ano de forma virtual ou por drive-in. Para esta 44ª edição do festival serão apresentados 198 filmes de 71 países, entre eles, de Lesoto, país que pela primeira vez aparece na seleção da mostra com o filme “Isso Não é Enterro, é uma Ressureição” (This Is Not A Burial, It’s A Resurrection).

A exibição dos filmes por streaming ocorre por meio de uma plataforma criada especialmente para a Mostra de Cinema. Todos os filmes desta edição do evento poderão ser acessados pelo site da Mostra, que vai direcionar para as plataformas. Os títulos disponibilizados na plataforma Mostra Play vão custar R$ 6 por visualização.

As sessões drive-in serão realizadas no Belas Artes Drive-in, localizado no Memorial da América Latina, e no Cinesesc Drive-in, espaço que fica na unidade do Sesc Parque Dom Pedro II, no centro da capital paulista. Haverá exibição gratuita de 30 filmes pelas plataformas Spcine Play e Sesc Digital.



A Mostra tem início no dia 22 de outubro e, para a abertura, a escolha foi por um filme violento e polêmico: o mexicano “Nova Ordem”, dirigido por Michel Franco, vencedor do Grande Prêmio do Júri em Veneza. O filme é ambientado na Cidade do México e mostra protestos e revoltas na cidade.

Segundo a diretora do festival, Renata de Almeida, a escolha de um filme polêmico para a abertura do evento gerou reflexões. “É ano de reflexão. Ano de luto. E vamos abrir [a mostra] com um filme forte. É um filme mexicano que reflete coisas que o Brasil tem também”, disse ela no sábado (10), em entrevista coletiva virtual para jornalistas.

O filme será exibido às 19h30 no Belas Artes Drive-in e terá apresentação virtual de Serginho Groisman e de Renata de Almeida. O filme e a cerimônia de abertura da Mostra ficarão depois disponíveis em streaming na plataforma Mostra Play. No entanto, o cinéfilo deve ficar esperto: o filme de abertura terá acesso restrito a mil visualizações e ficará disponível apenas por um dia.

Destaques da 44ª edição

Entre os destaques está o vencedor do Urso de Ouro de Berlim, o filme “Não Há Mal Algum” (There is no Evil), dirigido pelo iraniano Mohammad Rasoulof. O artista e diretor chinês Ai Weiwei terá dois títulos exibidos no festival: o documentário “Coronation”, que retrata o confinamento em Wuhan durante o início do surto de Covid-19, e o longa “Vivos”.

A Mostra também vai promover apresentações especiais de curtas como “Escondida” (Hidden), de Jafar Panahi; “Uma Noite na Ópera” (A Night at the Opera), de Sergei Loznitsa; e “A Visita” (Visit), do diretor Jia Zhangke, autor do pôster da 44ª Mostra e diretor do longa “Nadando Até o Mar se Tornar Azul”, confirmado para o evento.

Um dos homenageados deste ano é o diretor brasileiro Fernando Coni Campos (1933-1988), que terá seus longas “Viagem ao Fim do Mundo” (1968), “Ladrões de Cinema” (1977) e “O Mágico e o Delegado” (1983) exibidos no festival. Já a produtora Sara Silveira será agraciada com o Prêmio Leon Cakoff. Em homenagem a ela, a Mostra exibirá sua mais recente produção, o longa “Todos os Mortos”, de Marco Dutra e Caetano Gotardo, que competiu nos festivais de Berlim e Gramado este ano.

O Prêmio Humanidade, por sua vez, será este ano entregue aos funcionários da Cinemateca Brasileira, que enfrenta dificuldades; e ao documentarista americano Frederick Wiseman, que terá seu filme mais recente, “City Hall”, exibido na plataforma da Mostra.

Além dos filmes, o evento irá promover a quarta edição do Fórum Mostra, realizando encontros e debates de cinema, literatura e cultura. Este ano, o Fórum ocorre de forma virtual, entre os dias 28 e 30 de outubro. Haverá também um curso sobre a arte cinematográfica, ministrado pelo veterano cineasta Ruy Guerra, diretor do clássico “Os Fuzis”.

Mulheres

Dos filmes selecionados para a 44ª Mostra, 25% são títulos dirigidos por mulheres. Entre eles “Gato na Parede” (Cat In the Wall), de Vesela Kazakova e Mina Mileva; “Impedimento em Cartum” (Khartoum Offside), de Marwa Zein; e “A Arte de Derrubar” (The Art of Fallism), de Aslaug Aarsather e Gunnbjorg Gunnarsdottir. Além disso, o evento promove, entre os dias 29 de outubro e 3 de novembro, o Forum Nacional Lideranças Femininas no Audiovisual, destacando a diversidade na produção audiovisual do Brasil e no mundo.

Ingressos

A lista completa com todos os títulos da seleção deste ano está disponível no site da Mostra. Os ingressos poderão ser adquiridos a partir do dia 22 de outubro. Após a compra, o espectador cria sua biblioteca e terá três dias para assistir aos títulos escolhidos e 24 horas para assistir depois de ter iniciado a reprodução.

Mas atenção: alguns títulos estarão disponíveis apenas por 24 horas. E haverá limite de acessos para cada filme. A boa surpresa é que o número de acessos será em torno de 2 mil views, acima do limite de assentos das salas de cinema. “Vamos dar ao público a vantagem de ver filmes na hora que quiserem”, disse Renata.

Para os cinéfilos que quiserem adquirir o catálogo da Mostra, haverá uma loja virtual.

Com informações da Agência Brasil.

%d blogueiros gostam disto: