"Os Vencedores do Deserto"(Los vencedores del Desierto, 2021), de Ernesto Fundora Hernández - Divulgação
"Os Vencedores do Deserto"(Los vencedores del Desierto, 2021), de Ernesto Fundora Hernández - Divulgação

Festival Brasil de Cinema Internacional acontece online com mais de 30 filmes

De 5 a 13 de abril, o 7º Festival Brasil de Cinema Internacional acontece de forma híbrida — online e com sessões presenciais em salas secionadas no Rio de Janeiro, de acordo com os protocolos de segurança sanitária vigentes. A programação conta com mostra competitiva, com filmes de países como África do Sul, Cuba, Colômbia, México, Portugal e Inglaterra, além de apresentações de mais 20 obras na mostra Panorama.

A mostra competitiva tem ao todo 13 filmes, entre longas e curtas-metragens, sendo duas estreias mundiais. Uma delas é a de “Os Vencedores do Deserto” (México), de Ernesto Fundora. O longa retrata o conflito entre os governos federal e estadual e os fazendeiros-pecuaristas do estado de Chihuahua, localizados na fronteira com os Estados Unidos, sobre a administração da água. Um testemunho da luta entre os sindicatos agrários, governos e as máfias locais pelo controle do recurso hídrico em uma área desértica, colocando em risco a estabilidade econômica da região e as relações bilaterais entre o México e os EUA.

A outra estreia mundial é a de “O Cinema é Minha Vida” (Brasil), de Cavi Borges, com codireção de Patrícia Niedermeier e Rodrigo Fonseca. Na trama, um pouco antes de sua morte, o diretor François Truffaut (“Os Incompreendidos”), vivido por Niedermeier, prepara-se para conversar com um jornalista. A partir daí, em três tempos (camarim, entrevista e epifania), memórias, insights e o profundo amor do cineasta francês pela sétima arte e as mulheres preenchem a tela.

"O Cinema é Minha Vida" (2021), de Patricia Niedermeier, Rodrigo Fonseca e Cavi Borges - Divulgação
“O Cinema é Minha Vida” (2021), de Patricia Niedermeier, Rodrigo Fonseca e Cavi Borges – Divulgação

O cineasta Neville D’Almeida é o homenageado do 7º Festival Brasil de Cinema Internacional pelo conjunto da obra. Ele receberá o troféu assinado pelo arquiteto João Uchoa e apresenta no festival a versão restaurada de seu grande sucesso de bilheteria “Rio Babilônia” (1982).

A curadoria do festival é do ator e diretor André Di Mauro. Federico Bardini é o produtor e tem Carolina Paiva ao seu lado na produção executiva. O júri é formado por Isabella Thiago de Mello (Brasil), Natividad Jaén (Panamá), Otávio Júnior (Brasil) e Mariano Ananía (Argentina).

A programação e os links para assistir aos filmes estão disponíveis no site 7fbci.com.br.

Com informações da assessoria de imprensa do festival.