"Pixote - A Lei do Mais Fraco" (1981), de Hector Babenco - Foto: HB Filmes/Divulgação
"Pixote - A Lei do Mais Fraco" (1981), de Hector Babenco - Foto: HB Filmes/Divulgação

Babenco, Gaitán e Carelli ganham retrospectivas na Itaú Cultural Play

Cineastas renomados acabam de ganhar retrospectivas na plataforma Itaú Cultural Play. Um deles é Hector Babenco, com uma mostra online que exibe os clássicos “Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia” (1977), “Pixote: a Lei do Mais Fraco” (1980), “O Beijo da Mulher-Aranha” (1985) e “Brincando nos Campos do Senhor” (1991). O público pode assistir ainda à superprodução “Carandiru”, lançada nos cinemas em 2003.

A plataforma também leva ao público filmes da diretora Paula Gaitán, uma das autoras mais celebradas do cinema brasileiro. Ela sempre expressa em seus filmes um olhar íntimo sobre as artes visuais, a fotografia e a literatura, com variedade de formatos, temas e estilos. A mostra dedicada à Paula Gaitán exibe online os filmes “Uaka” (1988), “Diário de Sintra” (2007) e “Noite” (2015).

Indigenista e documentarista, Vincent Carelli é um nome importantíssimo do cinema documental no Brasil. Criador do projeto Vídeo das Aldeias, Carelli tem mais de 70 obras no currículo e recebeu o Prêmio Unesco, em 1999, pelo respeito à diversidade cultural. Na mostra da Itaú Cultural Play estão três títulos fundamentais do diretor: “Corumbiara” (2009), pelo qual ele ganhou dois troféus no Festival de Gramado; “Martírio” (2016), épico contemporâneo considerado um dos filmes mais importantes do cinema brasileiro nos últimos anos; e “Antônio e Piti” (2020), mais recente trabalho de Carelli.

Já para quem se interessa por animação, a Itaú Cultural Play apresenta um breve panorama da carreira de Marcos Magalhães, realizador que criou um estilo divertido e crítico, com o qual contribuiu para a consolidação da animação no país. Ele também é professor e um dos fundadores do Anima Mundi, principal festival do país dedicado à animação. Na plataforma de streaming, o público pode ver diversas obras realizadas por Marcos Magalhães nas décadas de 70 e 80, que trazem diferentes técnicas de animação.

Por fim, Juliana Vicente é diretora, roteirista, produtora e fundadora da Preta Portê Filmes. Ela é citada, com frequência, entre as mais importantes diretoras do cinema brasileiro contemporâneo. Dela, a Itaú Cultural Play exibe os filmes “Cores e Botas” (2010) e “As Minas do Rap” (2015).

A Itaú Cultural Play é gratuita e o acesso é feito a partir de um cadastro simples. Confira as retrospectivas no endereço itauculturalplay.com.br.

Com informações do Itaú Cultural.

retrospectivas Itaú Cultural Play

%d blogueiros gostam disto: