A Estrada

Quando se pensa em filme sobre o fim do mundo, o que vem logo à cabeça são megaproduções repletas de efeitos especiais e cenas de ação, como “Armageddon”, “Independence Day”, “O Dia Depois de Amanhã” e o recente “2012”. Fugindo dessa linha lógica de catástrofe-heroísmo-salvação, “A Estrada” é um filme-desastre diferente. Dirigido pelo australiano John Hillcoat, o longa nos apresenta a um mundo já destruído, sem que os flashbacks do protagonista nos mostrem o que exatamente aconteceu. Há indícios extra-campo de que algum tipo de devastação natural levou ao fim da civilização. Mas nada é explícito. O foco de Hillcoat está naquilo que 99,9% dos filmes do gênero deixam de lado: o que é sobreviver DEPOIS do fim do mundo?

Viggo Mortensen interpreta o personagem principal, cujo único objetivo é sobreviver e garantir a sobrevivência de seu filho, ainda uma criança. A mãe, papel de Charlize Theron, surge apenas como assombração no único momento de paz do protagonista: o sono. Vagando por lugares inóspitos, mas que ainda detém uma beleza própria das ruínas, esse homem almeja apenas chegar ao Sul, como as aves migratórias, e com sorte evitar ladrões e canibais que rondam as estradas. Já a preocupação do filho é outra: ser bom, não matar, ajudar. Pureza em meio à selvageria transfigurada do homem que reaprendeu a ser bicho.



Ao contrário da ideia de velocidade a que os filmes de desastre ou o próprio título do longa possa remeter, “A Estrada” corre bem devagar, dando a sensação de estar fora de ritmo. Pode ser algo incômodo para o espectador, mas que de alguma forma condiz com a natureza da narrativa. Afinal, é de se esperar que no fim do mundo as coisas fiquem bem próximas do que se vê na tela. Ainda assim, existem cenas de ação, e não é a toa que elas lembram os tiroteios dos faroestes, já que o diretor vem de uma experiência bem sucedida naquele gênero: o poético e visceral “A Proposta”, de 2005, um dos melhores neo-faroestes de sua geração.

É assim que “A Estrada” se insere no rol de filmes-desastre da prole da computação gráfica – que já há duas décadas reprisa e estende os anos 70, época em que a produção de filmes-desastre foi proeminente e ajudou a criar o fenômeno do blockbuster. Em meio a tantos exemplares de gosto duvidoso, em que Roland Emmerich se sai como um Irwin Allen piorado, existem, sim, bons títulos, como “Filhos da Esperança”, “Matrix”, “Extermínio”, “Fim dos Tempos”, “Cloverfield”, “WALL•E”. Isso não é o fim do mundo, não é verdade?

%d blogueiros gostam disto: