Uma Manhã Gloriosa

A comédia tende ao exagero. É natural, portanto, que o programa de televisão matutino no qual a personagem de Rachel McAdams trabalha em “Uma Manhã Gloriosa” pareça mais um “Pânico na TV” do que um programa jornalístico. Mas quando vemos coisas como Ana Maria Braga tentando demonstrar a força de um tsunami simplesmente dando um soco no fundo de uma bacia com água, percebemos que os exageros do filme não estão tão distantes da realidade.

Por baixo de todos os seus óbvios problemas de realização, o filme dirigido por Roger Michell lança um olhar crítico sobre esse tipo de programa que nos é empurrado por emissoras de TV cada vez mais dependentes da publicidade para existirem. Em época em que vale tudo por pontos na audiência, em que qualquer coisa é pauta para “matérias”, a culpada pela zorra em que o programa do filme se transforma é a ansiedade e a inexperiência da protagonista.



Como se a pressão não bastasse, as boas intenções da hiperativa garota no novo emprego logo são esmagadas pela má vontade do âncora rabugento vivido por Harrison Ford: um jornalista veterano que foi o primeiro a estar no Marco Zero após os ataques às Torres Gêmeas, que cobriu guerras, denunciou escândalos, almoçou com o vice-presidente dos EUA, ganhou 16 Emmy e um Pulitzer e, claro, pilotou a Millenium Falcon e caçou a Arca Perdida.

Isso porque, além de falar de crise no Jornalismo, “Uma Manhã Gloriosa” se vira para a própria Hollywood, num comentário de bastidor que Michell já havia explorado em “Um Lugar Chamado Notting Hill”. Ford hoje se encontra numa posição semelhante a de atores de sua geração, como Robert De Niro e Al Pacino. Quando faltam oportunidades para eles fazerem filmes como aqueles que os consagraram, sobram trabalhos que acabam por ridicularizá-los. E como o personagem de Ford no filme, eles acabam aceitando só pelo dinheiro. Ford ainda é mais comedido que seus colegas, incluindo a própria Diane Keaton, que, também como sua personagem aqui, já não tem mais pudor algum em aceitar fazer qualquer coisa diante de uma câmera.

O que “Uma Manhã Gloriosa” quer dizer é que a mistura de Jornalismo com entretenimento pode não ser ideal, mas se ela se faz necessária, que ao menos seja feita com profissionalismo e bom gosto. Se é para fazer um circo, que ao menos as risadas do palhaço sejam sinceras, que os truques do mágico sejam intrigantes e que a trapezista esteja elegante. Do contrário, zapearemos sempre por um show de aberrações.

Uma Manhã Gloriosa (Morning Glory, 2010, EUA)
direção: Roger Michell; roteiro: Aline Brosh McKenna; fotografia: Alwin H. Kuchler; montagem: Daniel Farrell, Nick Moore, Steven Weisberg; música: David Arnold; produção: J.J. Abrams, Bryan Burk; com: Rachel McAdams, Harrison Ford, Diane Keaton, Patrick Wilson, Jeff Goldblum, John Pankow, Linda Powell; estúdio: Bad Robot, Goldcrest Pictures; distribuição: Paramount Pictures. 107 min

%d blogueiros gostam disto: