"Fronteiras" (Frontières, 2020), de Apolline Traoré - Divulgação
"Fronteiras" (Frontières, 2020), de Apolline Traoré - Divulgação

Gratuita e online, mostra Cine África exibe filmes de oito países africanos

Dez longas e dois programas de curtas serão apresentados entre setembro e novembro na nova edição da Cine África, Mostra de Cinemas Africanos. Por causa da pandemia do novo coronavírus, os filmes serão online, porém, totalmente gratuitos e com legendas em português.

As exibições acontecem na plataforma Sesc Digital. A mostra terá início no dia 10 de setembro e terminará em 26 de novembro.

Há filmes de Burkina Faso, Camarões, Egito, Etiópia, Nigéria, Quênia, Senegal e Sudão. As exibições acontecem às quintas-feiras, mas cada filme fica disponível por uma semana na plataforma. A exibição é acompanhada por uma entrevista exclusiva com o diretor de cada filme.

A curadoria da mostra é de Ana Camila Esteves. “A curadoria para este formato online privilegia filmes africanos contemporâneos que já tiveram suas trajetórias em festivais internacionais encerradas, mas que permanecem relevantes e, em sua maioria, não exibidos no Brasil”, disse Ana Camila.

A produção abre o evento é o drama “Fronteiras”, da diretora Apolline Traoré, que retrata uma viagem de quatro mulheres do Senegal à Nigéria.

Entre os filmes a serem exibidos estão também a comédia inédita “aKasha”, de Hajooj Kuka, primeiro longa de ficção do cineasta e ativista sudanês;  “O Fantasma” e a Casa da Verdade”, de Akin Omotoso; “Nada de Errado”, documentário de direção coletiva sobre imigrantes africanos na Suíça; e o drama queniano “Supa Modo”, de Likarion Wainaina, sobre uma menina com uma doença terminal que sonha ser uma super-heroína.

Além dos filmes, a mostra apresenta também um bate-papo sobre o tema “Cinemas Africanos em Contexto Digital”, na live do projeto Cinema da Vela. Também haverá um curso sobre o cinema africano e o lançamento de um e-book.

Mais informações sobre o Cine África podem ser consultadas no site da mostra. Confira a programação logo abaixo:

Setembro

10/09 (qui) – “Fronteiras”, de Apolline Traoré (Burkina Faso, 2017) – Drama – 91 min;

17/09 (qui) – “O Enredo de Aristóteles”, de Jean-Pierre Bekolo (Camarões, 1996) – Comédia – 71 min;

24/09 (qui) – “aKasha”, de hajooj kuka (Sudão, 2019) – Comédia – 78 min;

Outubro

01/10 (qui) – “Lua Nova”, de Philippa Ndisi-Hermann (Quênia, 2019) – Documentário – 70 min;

02/10 (sex), às 17hCinema da Vela – com o tema Cinemas africanos em contextos digitais. Participantes: Ana Camila Esteves (Brasil), Marina Gonzaga (Brasil/França) e Jorge Cohen (Angola).

08/10 (qui) – “O Fantasma e a Casa da Verdade”, de Akin Omotoso (Nigéria, 2019) – Drama – 107 min;

15/10 (qui) – “Rosas Venenosas”, de Fawzi Saleh (Egito, 2018) – Drama – 70 min;

22/10 (qui) – “Madame Brouette”, de Moussa Sene Absa (Senegal, 2002) – Drama – 101 min;

29/10 (qui) – “Beyond Nollywood – Sofrendo e Sorrindo” (Nigéria) – Programa de curtas – 99 min;

Novembro

05/11 (qui) – “Nada de errado”, de vários diretores (Suíça, 2019) – Documentário – 49 min;

12/11 (qui) – “O Preço do Amor”, de Hermon Hailay (Etiópia, 2015) – Drama – 99 min;

19/11 (qui) – “Quartiers Lointains – Afrofuturismo” (diáspora francesa) – Programa de curtas – 100 min.

26/11 (qui) – “Supa Modo”, de Likarion Wainaina (Quênia, 2018) – Drama – 74 min.

Com informações da Agência Brasil.

%d blogueiros gostam disto: