Marcha de uma Liberdade Roubada, de Laís da Rosa Coelho/Divulgação

Festival Olhar de Cinema chega a sua 10ª edição com programação online

Até 14 de outubro, o Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba realiza sua décima edição, novamente em formato online, devido à pandemia de Covid-19, e com mais de 70 filmes, entre longas e curtas. O Olhar se destaca pela programação que celebra o cinema independente nacional e estrangeiro por meio da seleção de filmes com propostas estéticas inventivas, envolventes e com comprometimento temático, abrangendo perspectivas diversas. São produções que se arriscam em novas formas de linguagem cinematográfica, que estão abertos ao experimentalismo e que, não obstante, possuem um grande potencial de comunicação.

A mostra competitiva desta edição foi guiada pelo propósito curatorial de reunir novas narrativas que retratam a realidade política e social do mundo. Ela traz nove longas-metragens, dentre os quais três são brasileiros. São eles: “O Sonho do Inútil”, de José Marques de Carvalho Jr.; “Rio Doce”, de Fellipe Fernandes; e “Rolê – Histórias de Rolezinhos”, de Vladimir Seixas. Completam a seleção, filmes realizados na Rússia, Alemanha, Canadá, Colômbia Venezuela, Argentina e Romênia. A produção brasileira também marca presença na competição de curtas-metragens do festival. São quatro filmes dentre os 10 selecionados: “A Máquina Infernal”, de Francis Vogner dos Reis; “Chão de Fábrica”, de Nina Kopko; “Tereza Joséfa de Jesus”, de Samuel Costa; e “Uma Paciência Selvagem Me Trouxe Até Aqui”, de Érica Sarmet.

O 10º Olhar de Cinema ainda apresenta outras mostras: a Outros Olhares é formada por oito longas e 11 curtas de variados estilos e abordagens sobre questões urgentes; a mostra Foco homenageia o diretor palestino Kamal Aljafaria; a mostra Olhares Brasil traz cinco longas e seis curtas que se destacaram recentemente em festivais e compõem um recorte da nova e mais ousada produção brasileira; e a Mirada Paranaense é o lugar garantido para o cinema local, com dois longas e oito curtas.

A programação inclui outros programas e exibições especiais, como a exibição de “Capitu e o Capítulo”, mais novo filme do veterano e renomado diretor Julio Bressane, além de seminários e oficinas. A abertura do festival, nesta quarta, dia 6, será com o inédito “O Dia da Posse”, do diretor carioca Allan Ribeiro. E o filme de encerramento será “Nós”, longa também inédito, da cineasta baiana Letícia Simões.

Todos os filmes ficam disponíveis para acesso por meio do site oficial. Os ingressos para as sessões custam R$5,00 e já estão disponíveis para compra. Os filmes ficam disponíveis por 24h (sempre das 6h da manhã do dia de exibição até às 5h59 do dia seguinte), com exceção dos longas de abertura e de encerramento que podem ser acessados a partir das 20h do primeiro e do segundo dia, respectivamente, e não se repetem durante a programação. Vale conferir também, no canal do Olhar no YouTube, os debates previamente gravados com os realizadores e as realizadoras.

 

Com informações da assessoria de imprensa do Olhar de Cinema.

%d blogueiros gostam disto: