"Sarah Interpreta um Lobisomem" (Sarah joue un loup garou, 2017), de Katharina Wyss - Divulgação
"Sarah Interpreta um Lobisomem" (Sarah joue un loup garou, 2017), de Katharina Wyss - Divulgação

Filmicca: filmes que estreiam em janeiro

Em janeiro, a Filmicca (plataforma que substituiu a Supo Mungam Plus) traz para seus assinantes filmes inéditos no circuito brasileiro, entre eles o longa argentino “Os Membros da Família”, de Mateo Bendesky, exibido no Festival de Berlim. Outra estreia é a do drama suíço “Sarah Interpreta um Lobisomem”, de Katharina Wyss, selecionado para o Festival de Veneza e considerado uma joia contemporânea imperdível.

O representante chileno no Oscar 2022 e também vencedor dos prêmios de melhor Direção e Crítica na mostra Horizontes do Festival de Veneza, “Branco no Branco”, de Théo Court, estreia na Filmicca em 21 de janeiro. E fechando o mês, tem o lançamento da comédia espanhola “A Virgem de agosto”, de Jonás Trueba, que ficou no Top 10 da Cahiers du Cinema e fez parte da Seleção Oficial do Festival de San Sebastián.

A programação traz ainda a 12ª edição do My French Film Festival, que ficará disponível até 14 de fevereiro de forma gratuita para assinantes e para usuários com cadastro gratuito na plataforma. E de 7 a 31 de janeiro, a Filmicca disponibiliza uma degustação para não assinantes, com 4 filmes clássicos restaurados. São eles: “Saco de Pulgas”, de Vera Chytilová (Tchecoslováquia, 1962), “Gertrud”, de Carl Theodor Dreyer (Dinamarca, 1964), “Pai”, de István Szabó (Hungria, 1966), e “Crianças do Hotel América”, de Raimundas Banionis (Lituânia, 1990).

As estreias na Filmicca acontecem todas as sextas-feiras do mês. Confira os lançamentos de janeiro:

7 DE JANEIRO

Lançamento Inédito:

OS MEMBROS DA FAMÍLIA, de Mateo Bendesky

com Laila Maltz, Tomás Wicz e Alejandro Russek

Los miembros de la familia | Argentina | 2019 | Drama/Comédia | 86 min | 16 anos

O adolescente Lucas e sua irmã mais velha Gilda não se dão bem há anos, mas relutantemente viajam juntos para a casa de praia da família para se lembrar de sua mãe, que morreu recentemente. Determinados a prestar suas últimas homenagens e partir pela manhã, os dois logo se encontram presos na cidade por causa de uma greve de ônibus. Agora, os irmãos se envolvem em sua reunião rochosa, lutando para deixar o passado para trás enquanto enfrentam um futuro incerto.

A comédia agridoce de Mateo Bendesky é uma história divertida, original e comovente sobre amadurecer. Exibido no Festival de Berlim.

Joias Contemporâneas:

SARAH INTERPRETA UM LOBISOMEM, de Katharina Wyss

com Loane Balthasar, Michel Voïta e Manuela Biedermann

Sarah joue un loup garou | Suíça | 2017 | Drama/Fantasia | 86 min | 14 anos

Sarah, cheia de angústia adolescente, é uma pessoa extrema que em seus ensaios com um grupo de teatro se transforma até quase entrar em transe, e suas apresentações em casa ou em qualquer outro lugar beiram o excesso. Um pai frio e intelectual, uma mãe tímida, uma irmã mais nova e um irmão mais velho que saiu de casa completam o quadro: uma bomba-relógio silenciosa.

O filme de Katharina Wyss é uma obra de tensão psicológica eletrizante alimentada por segredos terríveis, vislumbrados, mas nunca mencionados. Exibido no Festival de Veneza.

Degustação FILMICCA | Clássicos (de 7 a 31 de Janeiro)

4 Filmes Restaurados:

SACO DE PULGAS, de Vera Chytilová (Tchecoslováquia, 1962)

GERTRUD, de Carl Theodor Dreyer (Dinamarca, 1964)

PAI, de István Szabó (Hungria, 1966)

CRIANÇAS DO HOTEL AMÉRICA, de Raimundas Banionis (Lituânia, 1990)

14 DE JANEIRO

MY FRENCH FILM FESTIVAL

12ª Edição do Festival de Cinema Francês Online

Até 14 de Fevereiro

Gratuito

Disponível para assinantes e para usuários cadastrados na FILMICCA.

21 DE JANEIRO

BRANCO NO BRANCO, de Théo Court
com Alfredo Castro, Lars Rudolph, Lola Rubio e Esther Vega
Blanco en blanco | Chile/Espanha | 2019 | Drama | 100 min | 16 anos

No alvorecer do século XX, Pedro chega à Terra do Fogo, um território violento e hostil, para imortalizar o casamento de um poderoso latifundiário. Fascinado pela beleza da noiva, ele trai as regras e se vê diante de uma terra repleta de violência e marcada pelo genocídio de seus habitantes indígenas.Melhor Direção e Prêmio da Crítica na mostra Horizontes do Festival de Veneza. Representante do Chile no Oscar 2022.

Joias Contemporâneas:

LIYANA, de Aaron Kopp e Amanda Kopp
com Gcina Mhlophe
Suazilândia/Qatar/EUA | Documentário/Animação | 2017 | 77 min | 14 anos

Uma história nascida na imaginação de cinco crianças órfãs no Reino da Suazilândia. O filme segue as crianças Zweli, Sibusiso, Phumlani, Mkhuleko e Nomcebo, enquanto colaboram para contar a história original de Liyana, uma personagem fictícia cuja juventude guarda semelhanças notáveis com as deles. Vencedor de mais de 35 prêmios internacionais, incluindo Melhor Documentário no Festival de Los Angeles.

28 DE JANEIRO

A VIRGEM DE AGOSTO, de Jonás Trueba
com Itsaso Arana, Vito Sanz, Isabelle Stoffel e Joe Manjon
La virgen de agosto | Espanha | 2019 | Comédia | 125 min | 14 anos

Eva não está satisfeita com sua vida. Em um ato de fé, ela decide ficar em Madrid durante o verão, quando todos os outros locais vão embora. Por meio de eventos e encontros que acontecem durante as festividades de Agosto e festas noturnas, Eva vai descobrir que a vida ainda tem oportunidades para ela…Um conto de verão sobre o amadurecimento na fase adulta. Um dos 10 melhores filmes de 2020 (Cahiers du Cinéma). Prêmio da Crítica no Festival de Karlovy Vary e Seleção Oficial do Festival de San Sebastian.

O Cinema do Quênia:

SUPA MODO, de Likarion Wainaina
com Stycie Waweru, Marrianne Nungo e Nyawara Ndambia
Quênia/Alemanha | 2018 | Drama | 80 min | 12 anos

Jo tem 9 anos, ela é uma menina espirituosa e com uma doença terminal. Ela volta para sua aldeia rural para viver o restante de sua curta vida. Seu único conforto durante esses tempos monótonos são seus sonhos de ser uma super-heroína, algo que sua rebelde irmã adolescente Mwix, a superprotetora mãe Kathryn e toda a vila de Maweni pensam que podem realizar para ela. Premiado com mais de 44 prêmios, SUPA MODO recebeu a Menção Especial do Júri na Mostra Generation do Festival de Berlim.

MINHA VIDA EM NAIRÓBI, de David ‘Tosh’ Gitonga
com  Joseph Wairimu, Olwenya Maina e Nancy Wanjiku Karanja
Nairobi Half Life | Quênia/Alemanha | 2012 | Drama | 96 min | 16 anos

Um jovem aspirante a ator do interior do Quênia sonha em se tornar um sucesso na cidade grande. Em busca disso e para desgosto de seu irmão e pais, ele segue para Nairóbi: a cidade das oportunidades. Atraído para um novo mundo de roubo e violência, ele ainda tenta perseguir seu sonho de se tornar um ator. Manter os dois mundos separados prova ser uma competição para ele enquanto luta para sobreviver neste mundo desconhecido chamado Nairóbi. Vencedor do Prêmio do Público no AFI Fest e representante do Quênia no Oscar em 2013.

SUBIRA, de Sippy Chadha
com Brenda Wairimu, Tirath Padam e Nice Githinji
Quênia | 2018 | Drama | 99 min | 14 anos

Subira é um espírito livre, uma jovem muçulmana nascida para estar na água. Ela adora nadar e pescar com seu pai – para grande consternação de sua mãe. Seu sonho é competir nadando, assim como os meninos. Mas quando seu pai morre em um acidente de barco, de repente ela não tem mais permissão para nadar. Subira agora se encontra firmemente nas garras de sua mãe tradicional, cujo único objetivo é arranjar um bom casamento para sua filha. A diretora Sippy Chadha expandiu seu premiado curta-metragem de mesmo nome para fazer um drama envolvente sobre a luta de uma jovem para seguir seus sonhos. Exibido no Festival de Gotemburgo.

KATI KATI, de Mbithi Masya
com Nyokabi Gethaiga, Elsaphan Njora e Paul Ogola
Quênia/Alemanha | 2016 | Drama | 75 min | 14 anos

Quando Kaleche acorda no meio do deserto, ela não tem ideia de como ou por que ela chegou lá. Ela vai até Kati Kati, uma hospedaria próxima, onde encontra um grupo de residentes sob a liderança de Thoma. À medida que Kaleche inicia uma amizade rápida e intensa com ele, ela descobre que o alcoólico funcional é um cara muito especial em um lugar misterioso: Kati Kati é habitada pelas almas de pessoas mortas esperando pela redenção. Exibido no Festival de Toronto e no AFI Fest.

Com informações da assessoria de imprensa da Filmicca.

%d blogueiros gostam disto: