"Boy Meets Boy" (2021), de Daniel Sánchez Lopéz - Divulgação
"Boy Meets Boy" (2021), de Daniel Sánchez Lopéz - Divulgação

Em formato híbrido, 29º Festival Mix Brasil traz 117 filmes de 28 países

O 29º Festival Mix Brasil, o mais importante evento de cultura LGBTQIA+ da América Latina e um dos maiores do mundo, acontece de 10 a 21 de novembro em formato híbrido e totalmente gratuito.

Parte da programação será de forma presencial na capital paulista, com sessões nos seguintes locais: CineSesc, Centro Cultural São Paulo, MIS – Museu da Imagem e do Som de São Paulo, Teatro Paulo Eiró e Centro Cultural da Diversidade. A programação online poderá ser acessada a partir do site do Mix Brasil.

A programação traz 117  filmes de 28 países, cinco espetáculos teatrais inéditos, como “Venganza: pega Homem?”, com direção da cantora Danna Lisboa, além de shows musicais, literatura, laboratório audiovisual, mesas sobre temas relevantes para comunidade LGBTQIA+, Show do Gongo com Marisa Orth, totalmente presencial. O festival ainda homenageia o cantor Ney Matogrosso com o prêmio Ícone Mix e uma mostra especial.

Destaques internacionais

"Benedetta" (2021), de Paul Verhoeven - Divulgação
“Benedetta” (2021), de Paul Verhoeven – Divulgação

O Mix Brasil abre com sessão presencial no CineSesc, em São Paulo, às 20h, com o aguardado filme “Benedetta”, de Paul Verhoeven, selecionado para a programação oficial dos festivais de Cannes e de San Sebastián. Já para o público de casa, a abertura será com o show da cantora e compositora Ellen Oléria.

O Panorama Internacional traz títulos  inéditos selecionados nas últimas edições dos festivais de Cannes, Berlim, Tribeca, Frameline, Queer Lisboa, Toronto e OutFest Los Angeles. Entre os destaques estão “A Fratura”, de Catherine Corsini, vencedor do Queer Palm no Festival de Cannes; “Being BeBe – A História de BeBe Zahara Benet”, de Emily Branham, documentário sobre a primeira vencedora de RuPaul’s Drag Race; e os alemães “Instruções de Sobrevivência”, de Yana Ugrekhelidze, ganhador do Prêmio do Júri Teddy em Berlim, “Bliss”, de Henrika Kull,  seleção oficial do Panorama da Berlinale, Frameline e Queer Lisboa, e “Boy Meets Boy”, de Daniel Sánchez Lopéz.

Brasileiros

"Vênus de Nyke" (2021), de André Antônio - Divulgação
“Vênus de Nyke” (2021), de André Antônio – Divulgação

A Mostra Competitiva de longas e médias nacionais do 29º Festival Mix Brasil apresenta sete títulos concorrendo ao Coelho de Ouro de melhor filme brasileiro. Entre eles está “Deserto Particular’‘, de Aly Muritiba, indicado do Brasil ao Oscar 2022. Completam a lista de concorrentes: “A Primeira Morte de Joana”, de Cristiane Oliveira (RS); “Até o Fim”, de Glenda Nicácio e Ary Rosa (BA); “Deus Tem AIDS”, de Fábio Leal e Gustavo Vinagre (PE/SP); “Madalena”, de Madiano Marcheti (MS); “Máquina do Desejo”, de Joaquim Castro, Lucas Weglinski (SP); e “Vênus de Nyke”, de André Antônio (PE).

O panorama nacional traz também cinco filmes dedicados ao cantor Ney Matogrosso, homenageado com o prêmio Ícone Mix deste ano, como “Ney À Flor da Pele”, de Felipe Nepomuceno; “Ralé”, de Helena Helena Ignez; “Depois de Tudo”, de Rafael Saar; “Caramujo-Flor” e “Olho Nu”, ambos de Joel Pizzini.

O festival traz ainda o programa REFRAME, um recorte de filmes de forte inventividade e um trabalho de elenco visceral, como “Cidade dos Abismos”, de Priscyla Bettim e Renato Coelho; “Bori”, de Luiz Anastácio; “Desaprender a Dormir”, de Gustavo Vinagre; e “Dois Garotos Que Se Afastaram Demais do Sol”, de Lucelia Sergio, Cibele Appes.

E para completar a programação de longas e médias brasileiros, o programa Queer.doc destaca a boa safra de documentários nacionais com os títulos “A Última Imagem’, de Benedito Ferreira; “Transversais”, de Émerson Maranhão; e “Perto de Você”, de Cássio Kelm, que terá sua estreia internacional na próxima edição do IDFA, um dos mais importantes festivais de documentários do mundo.

Curtas-metragens

Já na programação de curtas metragens poderão ser assistidos filmes das cinco regiões do Brasil. Na Mostra Competitiva de Curtas, são 12 filmes vindos de nove estados, dos quais alguns concorrem ao prêmio máximo do festival pela primeira vez, como o Piauí.

Outros 28 trabalhos nacionais e 40 estrangeiros compõem os 12 programas temáticos de curtas divididos pelos temas “Climão, Geral Sentiu”, “Está Tudo na sua Cabeça”, “F de Fetiche”, “Meu Corpo, Minhas Regras”, “Quarenteners”,  “Retratos de Garotas em Chamas”, “Revoluqueens”, “Sexy Boyz”, “Trans Rights!”, “Queer.doc” e os dois programas “Crescendo com a Diversidade”, destinado ao público de todas as idades. E pela primeira vez, o Festival apresenta uma seleção especial de séries, dentro do programa “Séries Mix”.

Toda a programação online do 29º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade poderá ser acessada gratuitamente a partir do site mixbrasil.org.br e também através do Facebook, Instagram, Twitter e YouTube. Os filmes poderão ser assistidos pelas plataformas digitais InnSaei.TV, Sesc DigitalSpcine Play. O acesso a alguns filmes será limitado e alguns longas serão exibidos apenas em sessões presenciais (consulte a programação).

Com informações da assessoria de imprensa do Mix Brasil.

%d blogueiros gostam disto: