"Cabeça de Nêgo" (2020) - Foto: Divulgação
"Cabeça de Nêgo" (2020) - Foto: Divulgação

Mostra OJU destaca produção de cineastas negras e negros no Brasil

De 19 de janeiro a 9 de fevereiro, o Sesc São Paulo realiza a OJU – Roda Sesc de Cinemas Negros. A mostra oferece ao público uma seleção de filmes realizados por cineastas negras e negros, com exibições presenciais no CineSesc e online na plataforma Sesc Digital.

Do Yorubá, “ojú” significa “olho” e o cinema se inicia pelo olhar, sensibilizado pela luz da projeção. Para o Sesc, a ideia de uma roda de cinema aproxima os sujeitos para juntos compartilharem histórias, se identificarem e, em coletividade, construírem as narrativas. Com esse propósito, a mostra busca envolver o público na roda e fazer movimentar pensamentos.

A mostra OJU exibe uma programação de curtas, médias e longas-metragens nacionais. Entre os destaques da programação está “Cabeça de Nêgo”, primeiro longa dirigido por Déo Cardoso. Inspirado no livro dos Panteras Negras, o filme narra a história de um aluno que, após sofrer insultos racistas na sala de aula, tenta impor mudanças em seu colégio ao enfrentar a direção e colocar em foco o racismo presente na instituição de ensino.

Joyce Prado também faz sua estreia na direção de longas com o documentário “Chico Rei Entre Nós”. O filme narra a história e o legado do rei congolês escravizado que lutou pela liberdade — a sua e a de seu povo — durante o Ciclo do Ouro em Minas Gerais. Joyce faz de Chico Rei o ponto de partida para explorar os diversos ecos da escravidão brasileira na vida dos negros e negras de hoje, entendendo seu movimento de autoafirmação e liberdade a partir de uma perspectiva coletiva.

A comédia “O Pai da Rita”, de Joel Zito, é o filme de abertura da mostra OJU. No filme, Ailton Graça e Wilson Rabelo interpretam dois amigos que partilham o amor pela escola de samba Vai-Vai e um amor de juventude.

Entre os curtas-metragens, destaque para o premiado “Sem Asas”, de Renata Martins, que conta a história de Zu, um garoto negro de 12 anos, que vai à mercearia comprar farinha de trigo para a sua mãe e, na volta para casa, descobre que pode voar. O curta foi vencedor do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, em 2020. Outra obra que recebeu o mesmo prêmio, mas em 2021, é “República”, dirigido pela atriz Grace Passô, o em sua casa, no centro de São Paulo, durante a primeira fase do isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 em 2020.

A mostra exibe também “Dois Garotos que se Afastaram Demais do Sol”, baseado na peça “12º Round”, do dramaturgo Sérgio Roveri, que traz o embate entre os boxeadores Emile Griffith e Benny Kid Paret. A obra de Lucélia Sergio e Cibele Appes reflete sobre as lutas e os sonhos de homens negros e foi vencedora do prêmio de Melhor Curta-Metragem no Festival Mix Brasil de 2021.

A maior parte dos filmes será exibida presencialmente no CineSesc, mas a plataforma Sesc Digital recebe nove títulos da mostra que podem ser assistidos gratuitamente pelo público de todo o Brasil. Os debates, cursos e oficinas também vão acontecer em formato online e são gratuitos. Confira a programação completa da mostra OJU no site sescsp.org.br/cinemasnegros.

Com informações da assessoria de imprensa do Sesc.

%d blogueiros gostam disto: