Cotações Cinematório

Há três, quase quatro meses, começamos a adotar um sistema de cotações aqui no Cinematório.

Dar nota para filmes é sempre uma questão problemática para quem também escreve sobre eles, pois, às vezes, parece que o texto indica que o autor gostou ou desgostou mais do filme do que a nota mostra. Desde o início do blog, eu havia decidido não usar cotações e deixar o texto falar por si mesmo. Mas mudei de idéia por dois motivos: 1) pedido dos leitores; 2) a nossa entrada na Liga dos Blogues Cinematográficos, que usa notas de 1 a 10 para montar seus rankings.

Tempos atrás, eu utilizava o sistema básico de 1 a 5 estrelas. Mas depois passei para a escala de 1 a 10, simplesmente por considerá-la mais abrangente e evitar aquele dilema de dar notas quebradas (2,5, 4,5 etc.). Este sistema de cotações pessoal passou a ser o do blog e, junto com Tooms, escolhi também um sistema de recomendações para acompanhar as notas. E então chegamos ao problema que gerou esta postagem.



A idéia era que cada recomendação correspondesse a duas notas. Por exemplo: se um filme recebe nota 7 ou 8, a recomendação é “vale o ingresso”; se a nota é 1 ou 2, a recomendação é “pura perda de tempo”. Só que isto se tornou uma limitação incômoda. E ao dar a nota para o último “Harry Potter”, percebi que a recomendação não poderia estar sempre atrelada à nota.

Assim como “300” e “Homem-Aranha 3”, por exemplo, eu considero que “Harry Potter e a Ordem da Fênix” vale o ingresso. É um filme que entretém e que eu recomendaria a um amigo que estivesse em dúvida sobre o que assistir no cinema. Contudo, considero que a nota 7 é mais do que o longa merece. Quando eu terminei de escrever a crítica, minha impulsão foi dar nota 6. Mas isto significaria dar a recomendação “veja sem pressa”, quando eu queria dizer que “vale o ingresso”. Entenderam a confusão?

Por isso, decidi mudar um pouco as coisas nas cotações do Cinematório. A partir de agora, a recomendação passa a ser independente da nota. É claro que há casos em que é difícil fugir do que já estava estabelecido: um filme com nota 1 dificilmente será recomendado para ser visto no cinema. Mesmo assim, nunca se sabe… Vai que surge um desses clássicos trash pelo caminho que, mesmo com nota 1, mereça ser visto na telona por se tratar de um evento cinematográfico sem igual?

Dito isto, aqui estão as nossas cotações e recomendações, para o leitor se guiar:

.notas/classificação
10 e 9 – Excelente
8 e 7 – Ótimo
6 e 5 – Bom
4 e 3 – Regular
2 e 1 – Fraco

.recomendações
– veja no cinema e/ou compre o DVD
– vale o ingresso/locação
– veja sem pressa
– não se culpe por não ver
– pura perda de tempo

Sei que este é um “post institucional”, mas achei que seria bom comunicar a vocês.

%d blogueiros gostam disto: