Harry Potter e a Ordem da Fênix

A cada “Harry Potter” que chega aos cinemas, é comum ouvirmos o comentário: “Este é o melhor filme da série”. Com “A Ordem da Fênix” não está sendo diferente, porém, devo contrariar a opinião da pequena maioria que tem elogiado o longa em demasia.

Este não é o melhor filme da série. É apenas o quinto filme da série. A história não apresenta uma grande revelação ou um acontecimento relevante que justifique as quase 2 horas e 20 minutos de duração (e, pelo que me disseram, o livro também é bastante enfadonho). É um filme sólido, mas serve mais para prolongar a vida da franquia do que representar uma evolução na narrativa ou no desenvolvimento dos personagens. No fundo, no fundo, seu objetivo é apenas levar Harry Potter ao encontro de um certo objeto, que lhe revela uma certa profecia (que, na verdade, nada tem de reveladora).



A seqüência de abertura mostra Harry no mundo dos “trouxas” (a delicada designação que a autora J.K. Rowling atribui aos leitores/expectadores céticos que não compram suas idéias fantasiosas), quando dois dementadores saem do mundo mágico e atacam o rapaz. Para proteger seu primo que não é bruxo, Harry acaba usando uma mágica, o que o leva a quase ser expulso de Hogwarts (como sempre, ele é protegido por Dumbledore e inocentado). O ataque das criaturas aumenta as especulações sobre o retorno de Voldemort, que finalmente havia dado as caras no filme anterior. Com isso, as suspeitas de que Harry estaria atraindo o “lorde das trevas” e colocando os demais alunos e magos em perigo deixam o protagonista em uma situação pouco confortável – que piora ainda mais quando Hogwarts é submetida à vigilância de uma nova diretora, a conservadora extremista Dolores Umbridge.

O fato de Dolores praticamente enclausurar os alunos em Hogwarts faz com que “Harry Potter e a Ordem da Fênix” tenha menos cenas de ação do que os filmes anteriores. A história se passa na maior parte do tempo dentro da escola e em seus arredores. As únicas exceções são o começo, situado em Londres, e o terceiro ato, este sim, recheado de momentos mais empolgantes. Mesmo assim, o clímax, apesar de bem construído, não conta com a mesma pompa que vimos em “O Cálice de Fogo”, por exemplo. E a realização da cena da morte de um determinado personagem deixa a desejar por não conferir a devida importância àquele momento. O diretor David Yates recorre ao velho clichê da “cena da perda”, com câmera lenta e o grito emudecido dos personagens, enquanto a trilha sonora dá o tom triste.

Yates, aliás, faz um trabalho correto, mas é o cineasta que menos impressiona depois de Chris Columbus, ainda o pior diretor da série. Yates sabe como construir atmosfera e acerta o tom desta vez, deixando o filme não tão sombrio quanto o quarto, no qual Mike Newell parece ter se esquecido de que estava fazendo um filme também para crianças. Porém, Newell e Alfonso Cuarón (dono do melhor trabalho de direção até agora, em “Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban”) ofereceram muito mais em termos de estilo e exploração do uso da câmera. O que Yates faz de mais elaborado aqui (e o que também se revela seu vício) é “viajar” pelos cenários, dando a ilusão de que estamos atravessando paredes, quadros e vidraças, como um dos fantasmas que habitam Hogwarts. O mesmo recurso é utilizado nas passagens que mostram as manchetes dos jornais do mundo mágico e, também, quando uma magia específica é utilizada para entrar na mente dos personagens.

No elenco, Daniel Radcliffe demonstra algum avanço como ator. Em algumas cenas, ele ainda lembra aquele menino de seis anos atrás, que olhava com perplexidade para os encantos da feitiçaria. Isto pode ser proposital, como se ele quisesse mostrar que, mesmo conhecendo aquele mundo, Harry ainda se espanta com alguma coisa (o que é bom, já que evita que o próprio público assuma uma atitude blasé diante de uma série longa como esta). Por outro lado, é exatamente por Harry não ser nenhum calouro de Hogwarts que Radcliffe deveria evidenciar mais segurança. Curiosamente, seus colegas de elenco parecem mais à vontade. Do trio principal, aliás, Rupert Grint é o que tem demonstrado maior amadurecimento na atuação, ao passo que Emma Watson pouco evoluiu em relação à última vez em que a vimos (e não é coincidência ela ser a única da turma que ainda não fez outro trabalho no cinema).

Entre os professores, Imelda Staunton se torna uma das grandes adições ao elenco da franquia. Uma excelente atriz, que emprega a Dolores Umbridge um ar de “tia boazinha” (reparem no detalhe de sua delicada risadinha), que esconde uma pessoa muito mais severa e punitiva do que o professor mais emburrado da escola. Dos veteranos, Alan Rickman tem um bom tempo de tela com seu ótimo Severo Snape (meu professor favorito) e Michael Gambon novamente empresta a Alvo Dumbledore um caráter soberano, como todo bom mentor deve ter. O equivalente maligno pode ser dito sobre Ralph Fiennes como Voldemort. Ambos têm participações não muito extensas ao longo do filme, mas são marcantes. Já o mesmo não se aplica ao Hagrid de Robbie Coltrane e à Professora Minerva de Maggie Smith, mais do que nunca relegados a papéis coadjuvantes, mas não tanto quanto Brendan Gleeson, David Thewlis e Emma Thompson, que estão ali apenas para enfeitar o elenco (e para os produtores mostrarem como são bons em reunir tantos talentos). O Sirius Black de Gary Oldman poderia ter sido mais explorado, dada sua importância para a trama e para Harry Potter. Mas talvez a maior decepção fique por conta de Helena Bonham Carter, que aparece muito tarde no filme e tem apenas uma função na história – que, aliás, poderia ter sido executada por qualquer outro personagem equivalente ao dela. Mesmo assim, a caracterização da atriz é boa o bastante (e eu sempre achei que ela tem cara de bruxa má, algo que Tim Burton já havia explorado em “Peixe Grande”).

Para os fãs, o filme poderá ser um deleite. Afinal, mesmo com o fim da saga nos livros, eles ainda terão mais uns quatro anos pela frente para esperar pelas duas últimas adaptações. Se eu fosse fã, não estaria nenhum um pouco triste. Mas como acompanho a história apenas pelo cinema, “A Ordem da Fênix” não representou um capítulo imperdível, mesmo que não seja ruim. Futuramente, quando rever os longas em casa, é bem provável que eu queira pular este e ir direto para o próximo. Afinal, é certo que os eventos importantes desta quinta aventura serão relembrados de alguma forma a seguir.

nota: 7/10 — vale o ingresso

Harry Potter e a Ordem da Fênix (Harry Potter and the Order of the Phoenix, 2007, Reino Unido/EUA), dir.: David Yates – em cartaz nos cinemas
%d blogueiros gostam disto: