Guerra ao Terror

No domingo, dia 2 de agosto, saiu uma matéria no jornal O Estado de S. Paulo, relatando que, no Afeganistão, um grande problema para os soldados dos Estados Unidos são as bombas caseiras que são feitas por talibãs a partir de sobras de outras várias guerras pelas quais o país já passou. Os insurgentes escondem os explosivos na estrada e, através de um robô controlado por um joystick, os soldados tentam desarmá-las. Quando não conseguem, os próprios têm que colocar a mão na massa e, vestindo uma espécie de escafandro, um deles é escolhido para arriscar a vida e tentar desarmar a bomba. Segundo a matéria, julho foi o mês em que o número de mortes de soldados atingiu seu ponto mais alto desde o início da guerra.

Troque Afeganistão por Iraque e bombas caseiras por bombas não tão caseiras assim e você tem “Guerra ao Terror” (The Hurt Locker), novo filme da diretora Kathryn Bigelow, que vem ganhando elogios por todos os lados desde que estreou nos Estados Unidos no último 26 de junho (e que está disponível em DVD por aqui desde abril). Expressões como “o melhor Iraq movie” (sim, já virou sub-gênero) ou “o melhor filme de guerra dos últimos anos” são, usualmente, associadas à produção. Do que não posso discordar. “Guerra ao Terror” possivelmente será uma das grandes obras lançadas neste ano e Bigelow merece aplausos por seu trabalho.



Mas antes de ser um filme de guerra, “The Hurt Locker” é um grande filme de ação. As discussões políticas sobre a guerra do Iraque não são o que mais importam, em um primeiro momento. Claro, depois de assistir ao longa, é mais do que válido pensar sobre a irresponsabilidade do governo americano diante do conflito, já que nem eles sabem contra o que estão combatendo. No filme, três soldados, William James (Jeremy Renner, fantástico), JT Sanborn (Anthony Mackie, sensacional) e Owen Eldridge (Brian Geragthy, muito bom) são os responsáveis por desativarem bombas. James é o que veste o escafandro e vai desarmar o explosivo e os outros dois ficam na retaguarda, de olho em qualquer pessoa ou movimento suspeitos. O problema é que, para os soldados, praticamente todos são suspeitos.

Com isso em mente, Bigelow consegue, através de um trabalho de câmera magistral, construir uma tensão quase insuportável para quem assiste ao filme. Primeiro, a câmera observa o soldado que vai tentar desativar a bomba. Como a diretora já deixou claro na poderosa cena introdutória do filme, é um trabalho ingrato, arriscado e o espectador já fica apreensivo, por saber que James pode morrer a qualquer momento. Logo, a câmera passa a captar os indivíduos ao redor e os soldados Sanborn e Eldridge quase perdidos, desconfiando de tudo e de todos. E, por vezes, a câmera toma o lugar dos olhos de James. Com uma montagem rápida e com uma constante mudança de planos, Bigelow produziu um filme extremamente tenso. Tensão que só termina quando uma bomba explode (ou não). E, claro, uma tensão temporária, porque logo, um novo motivo para deixar o espectador apreensivo se inicia.

Bigelow não está interessada em soldados heróicos, discutir consequências do terrorismo (daí o título brasileiro, “Guerra ao Terror”, ser um pouco inapropriado) ou levantar bandeira contra ou a favor da guerra do Iraque. É o Iraque, mas poderia ser muito bem o Afeganistão relatado no primeiro parágrafo. Ela quer falar sobre as guerras modernas como produtoras de homens-máquinas, que deixam o que construíram para trás e ficam à espera de mais uma dose de adrenalina.

O filme afirma que a guerra é uma droga, porque ela vicia. James desativa bombas sem o equipamento de segurança, fica incomunicável de propósito, tenta desarmar o explosivo de uma bomba-relógio, minutos antes dela explodir. Só pela adrenalina, para saciar o vício. Bigelow não julga essa escolha. Ela sabe que é uma escolha. Não estamos falando de um patriota que está no campo de batalha pelo o amor ao país acima de tudo. Mas, sim, de um homem que precisa estar lá, precisa arriscar sua vida, para continuar vivendo. E em uma guerra irresponsável e sem muito sentido de ser, um homem-máquina se torna mais importante do que um patriota com amor à vida.

nota: 9/10 — veja no cinema e compre o DVD

Guerra ao Terror (The Hurt Locker, 2008, EUA)
direção: Kathryn Bigelow; roteiro: Mark Boal; fotografia: Barry Ackroyd; montagem: Chris Innis, Bob Murawski; música: Marco Beltrami, Buck Sanders; produção: Kathryn Bigelow, Mark Boal, Nicolas Chartier, Greg Shapiro; com: Jeremy Renner, Anthony Mackie, Brian Geraghty, Guy Pearce, Ralph Fiennes, David Morse, Evangeline Lilly; estúdio: First Light Production, Kingsgate Films, Grosvenor Park Media; distribuição: Imagem Filmes. 131 min
%d blogueiros gostam disto: