Adorável vilã

Não é difícil imaginar porque “Jovens Adultos”, mais recente filme do diretor Jason Reitman, fez pouco sucesso. O cineasta, queridinho da Academia desde sua estreia com a comédia sobre a indústria do tabaco “Obrigado por Fumar”, foi inclusive ignorado no Oscar deste ano por esse filme que traz uma inspirada Charlize Theron no papel principal.

 

“Jovens Adultos” é um filme que, diferente dos trabalhos anteriores de Reitman, tem uma protagonista da qual é difícil gostar. Autora de uma série de livros que acaba de ser cancelada, ela decide voltar para sua cidade natal a fim de reconquistar o ex-namorado (Patrick Wilson), pouco se importando com sua feliz vida de homem casado e pai de uma filha recém-nascida. Em crise de identidade, essa volta ao passado representa uma tentativa dela de se reencontrar, mas a nostalgia revela perigos que ela não esperava enfrentar.

 

“Jovens Adultos” tem esse aspecto dissonante, mas também está em plena sintonia com os filmes anteriores de Reitman, já que “Obrigado Por Fumar”, “Juno” e “Amor Sem Escalas” também são filmes que são protagonizados por vilões disfarçados de mocinhos (o representante das empresas de cigarro; a garota grávida que quer se livrar do filho; o mensageiro de demissões). E da mesma forma, “Jovens Adultos” é um filme sobre pessoas solitárias.

 

Outro ponto de encontro é a trilha sonora, que aqui tem hits dos anos 90, de bandas como Foo Fighters, 4 Non Blondes e Pearl Jam, só que alguns deles estão em arranjos irreconhecíveis, o que representa um desafio para quem é bom de ouvido.

 

Como o filme passou rapidamente pelos cinemas brasileiros e não chegou a muitas cidades, vale muito conferir “Jovens Adultos” em DVD ou Blu-ray.

%d blogueiros gostam disto: