Um mestre é reconhecido pela leveza no traço. É na simplicidade que mostra seu talento. Em "O Conto da Princesa Kaguya" (2013) , de Isao Takahata (diretor de "Túmulo dos Vagalumes" e parceiro de Hayao Miyazaki no Studio Ghibli), os movimentos são mínimos, os detalhes são sutis. Não precisa de nenhum realismo extremo para tornar o desenho verossímil.

Corte Rápido: O CONTO DA PRINCESA KAGUYA

ocontodaprincesakaguya01

Um mestre é reconhecido pela leveza no traço. É na simplicidade que mostra seu talento. Em “O Conto da Princesa Kaguya” (2013) , de Isao Takahata (diretor de “Túmulo dos Vagalumes” e parceiro de Hayao Miyazaki no Studio Ghibli), os movimentos são mínimos, os detalhes são sutis. Não precisa de nenhum realismo extremo para tornar o desenho verossímil.

Indicado ao Oscar de Melhor Animação em 2015, o filme utiliza uma fábula para falar sobre a cultura machista no Japão, sobre como a mulher é tolhida de suas vontades, por mais inocentes que sejam, e se vê sem alternativas senão acatar ordens e desejos alheios.



Mas o longa também tem um apelo universal, no que tange ao papel que os pais querem que os filhos exerçam, como se os adultos pudessem se redimir de suas frustrações através das crianças.

A narrativa da animação flui muito bem até a protagonista ir para a cidade com os pais. Mesmo lá é interessante, mas se torna repetitiva em particular na parte em que aparecem os pretendentes  de Kaguya. No entanto, as coisas voltam a melhorar no apoteótico ato final. ■

[A ideia do Corte Rápido é fazer um comentário simples, seja uma primeira impressão sobre um lançamento, seja uma breve reflexão sobre um filme revisto recentemente.]

%d blogueiros gostam disto: