Um pequeno guia para o espectador do século 21

Esta cena de “Era Uma Vez no Oeste” é o exemplo perfeito de algo que se perdeu com o surgimento da internet. Nos extras do DVD, Henry Fonda explica em uma entrevista a surpresa que foi para o público descobrir que ele interpretava o vilão principal do filme no momento em que a câmera de Sergio Leone lentamente contorna o ator por trás do ombro e revela seu rosto. Fonda sempre interpretou mocinhos e este foi seu primeiro grande vilão. Hoje, já sabemos antes mesmo de um ator ser escalado qual papel ele irá interpretar. A surpresa morreu.

Já há algum tempo venho adotando uma pequena lista de regras para aproveitar mais a minha experiência de assistir a um filme. Qualquer tipo de filme: novo, antigo, clássico, trash, não importa.

Comecei a fazer isso depois que percebi que muitas vezes eu estava estragando o prazer de ser um espectador pelo simples fato de me informar demais a cerca dos filmes que pretendia ver. E hoje, em plena era web, você praticamente não precisa procurar, as informações chegam a você até mesmo sem você pedi-las.



Portanto, compartilho esse guia despretensioso que, talvez, possa ajudar a tornar uma sessão de cinema ou DVD algo um pouco mais misterioso e prazeroso no nosso dia-a-dia de cinéfilo.

1. Nunca leia críticas antes de ver um filme. Não se trata nem de se expor a possíveis spoilers, mas de ler uma interpretação do crítico que impeça que você faça a sua própria leitura do filme. Em muitos casos, é pior do que saber o final. É OK consultar a média de notas do IMDb ou do Rotten Tomatoes. Mas sendo um pouco mais radical, é melhor evitar os pequenos comentários que acompanham as páginas dos filmes nesses sites, pois pode incorrer no mesmo perigo de ler uma crítica inteira.

2. Não assista a trailers. Principalmente na internet, onde os estúdios têm jogado inúmeras versões, muitas vezes revelando cenas que perdem a graça se vistas depois no contexto do filme. Ver clipes de cenas inteiras então, expressamente proibido.

3. Não leia a sinopse. É estranho ir para um filme sem saber nada a respeito da trama, mas é só até você se acostumar. Sinopses muitas vezes entregam detalhes importantes e até mesmo descrevem erroneamente um filme. Ver “no escuro” é tão mais interessante, pois possibilita que você tenha um contato mais natural e direto com o tema trabalhado pelo diretor, e não apenas com a história contada.

4. Conheça o filme pelos nomes. O IMDb está aí para isso. A melhor maneira de se informar sobre um filme é saber quem o fez: o diretor, o roteirista e os atores principais. Se você já conhece os nomes que estão na ficha, não precisa de sinopse ou trailer. Se não conhece, faça uma breve consulta ao currículo deles. Muitas vezes, um nome estranho está associado a filmes conhecidos – e não necessariamente por boas razões.

5. Filtre as notícias de cinema que você lê. Novidades sobre elenco e novos projetos são bacanas, mas muitas vezes uma participação especial que seria surpresa acaba sendo revelada meses antes de um filme ficar pronto. Sem falar que várias vezes o enredo é detalhado em excesso pelos sites de notícias, porque eles têm acesso a roteiros não-finalizados, descrições enviadas a agências de casting, sem falar que os próprios estúdios divulgam mais do que devem nos press-releases. Notícias de celebridades são legais às vezes, sim, não se culpe. Mas acompanhá-las todos os dias pode acabar fazendo com que assuntos da vida pessoal de atores ou cineastas, que nada têm a ver com o trabalho deles, influenciem a sua opinião sobre o que efetivamente está na tela.

%d blogueiros gostam disto: