"Casa de Antiguidades" (2020) - Distribuição: Pandora Filmes
"Casa de Antiguidades" (2020) - Distribuição: Pandora Filmes

Filme brasileiro entra na seleção de Cannes, mas festival não terá prêmios em 2020

O Festival de Cannes anunciou hoje os filmes da sua Seleção Oficial de 2020, um ano atípico em que a pandemia do novo coronavírus paralisou a indústria cinematográfica, fechando salas, suspendendo estreias e cancelando festivais.

Cannes fez muito mistério em torno da realização ou não da 73ª edição do maior festival de cinema do mundo. Depois de tentarem adiar a realização do evento por duas vezes, os organizadores enfim cederam ao cancelamento, mas ainda assim mantiveram o anúncio da Seleção Oficial, ainda que sem a entrega da Palma de Ouro. Este ano, entrar na lista já é um prêmio concedido pela curadoria coordenada por Thierry Frémaux.

Os títulos poderão usar o selo de Cannes em sua divulgação e não serão impedidos de competirem em outros festivais, desde que estes os aceitem. As negociações quanto a isso ainda estão em andamento e envolvem, também, a realização de seções paralelas dos “filmes de Cannes” na programação dos festivais parceiros.

O júri oficial, presidido pelo cineasta Spike Lee, não participou da seleção. Na verdade, o júri completo sequer chegou a ser formado. Lee deverá ser mantido na presidência para a 74ª edição, em 2021.

"Casa de Antiguidades" (2020) - Distribuição: Pandora Filmes
“Casa de Antiguidades” (2020) – Distribuição: Pandora Filmes

Um brasileiro entre mais de 50 filmes

Cannes surpreendeu pela quantidade de filmes anunciados: 56, ao todo. A seleção é bastante eclética e foi dividida em “temas”, ao invés das tradicionais mostras paralelas, como a Un Certain Regard. Há um grupo de filmes de diretores que já competiram em edições anteriores (entre eles, Wes Anderson, Naomi Kawase, Steve McQueen – com dois filmes – e Thomas Vinterberg) e há outro para cineastas que estão “participando” do festival pela primeira vez. Estão lá também as animações (entre elas “Soul”, da Pixar) e os documentários.

O Brasil está representado na seção “Os Primeiros Longas”, com “Casa de Antiguidades”, do diretor João Paulo Miranda Maria. O filme conta a história de Cristovam (interpretado por Antônio Pitanga), um caipira que sai de sua terra em busca de melhores condições de trabalho, mas que enfrenta a solidão e o preconceito devido ao contraste cultural e étnico. Em recente entrevista, João Paulo disse que “Casa de Antiguidades” mostra “o embate numa sociedade perdida no tempo, em que visões antiquadas e preconceituosas voltam à tona e alguém precisa enfrentar tudo isto”.

“Casa de Antiguidades” tem ainda no elenco o belga Sam Louwyck (“Cargo”), Ana Flávia Cavalcanti (“Corpo Elétrico”), Aline Marta Maia (“Serial Kelly”) e Gilda Nomacce (“As Boas Maneiras”). A direção de fotografia é de Benjamín Echazarreta, fotógrafo de “Uma Mulher Fantástica”, longa vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, a montagem é de Benjamin Mirguet (“Batalla En El Cielo”) e a música é de Nicolas Becker (“Gravidade”). O filme ainda não tem previsão de estreia nos cinemas.

Confira abaixo a Seleção Oficial completa de Cannes 2020:

OS FIÉIS (ou pelo menos já selecionados antes)

THE FRENCH DISPATCH, Wes Anderson (EUA) – 1h43

ÉTÉ 85, François Ozon (França) – 1h40

ASA GA KURU (True Mothers), Naomi Kawase (Japão) – 2h20

LOVERS ROCK, Steve McQueen (Reino Unido) – 1h08

MANGROVE, Steve McQueen (Reino Unido) – 2h04

DRUK (Another Round), Thomas Vinterberg – (Dinamarca) – 1h55

ADN (DNA), Maïwenn (França/Algéria) – 1h30

LAST WORDS, Jonathan Nossiter (EUA) – 2h06

HEAVEN: TO THE LAND OF HAPPINESS, Im Sang-Soo (Coreia do Sul) – 1h40

EL OLVIDO QUE SEREMOS (Forgotten we’ll be), Fernando Trueba (Espanha) – 2h16

PENINSULA, Yeon Sang-Ho (Coreia do Sul) – 1h54

IN THE DUSK (Au crépuscule), Sharunas Bartas (Lituânia) – 2h06

DES HOMMES (Home Front), Lucas Belvaux – (Bélgica) – 1h40

THE REAL THING, Kôji Fukada (Japão) – 3h48

OS CALOUROS

PASSION SIMPLE, Danielle Arbid (Líbano) – 1h36

A GOOD MAN, Marie Castille Mention-Schaar (França) – 1h47

LES CHOSES QU’ON DIT, LES CHOSES QU’ON FAIT, Emmanuel Mouret (França) – 2h

SOUAD, Ayten Amin (Egito) – 1h30

LIMBO, Ben Sharrock (Reino Unido) – 1h53

ROUGE (Red Soil), Farid Bentoumi (França) – 1h26

SWEAT, Magnus Von Horn (Suécia) – 1h40

TEDDY, Ludovic e Zoran Boukherma (França) – 1h28

FEBRUARY (Février), Kamen Kalev (Bulgária) – 2h05

AMMONITE, Francis Lee (Reino Unido) – 2h

UN MÉDECIN DE NUIT, Elie Wajeman (França) – 1h40

ENFANT TERRIBLE, Oskar Roehler (Alemanha) – 2h14

NADIA, BUTTERFLY, Pascal Plante (Canadá) – 1h46

HERE WE ARE, Nir Bergman (Israel) – 1h34

UM FILME COLETIVO

SEPTET: THE STORY OF HONG KONG, Ann Hui, Johnnie TO, Tsui Hark, Sammo Hung, Yuen Woo-Ping et Patrick Tam (Hong Kong) – 1h53

OS PRIMEIROS LONGAS

FALLING, Viggo Mortensen (EUA) – 1h52

PLEASURE, Ninja Thyberg (Suécia) – 1h45

SLALOM, Charlène Favier (França) – 1h32

CASA DE ANTIGUIDADES, João Paulo Miranda Maria (Brasil) – 1h27

BROKEN KEYS (Fausse note), Jimmy Keyrouz (Líbano) – 1h30

IBRAHIM, Samir Guesmi (França) – 1h20

BEGINNING (Au commencement), Déa Kulumbegashvili (Geórgia) – 2h10

GAGARINE, Fanny Liatard et Jérémy Trouilh (França) – 1h35

16 PRINTEMPS, Suzanne Lindon (França) – 1h13

VAURIEN, Peter Dourountzis (França) – 1h35

GARÇON CHIFFON, Nicolas Maury (França) – 1h48

SI LE VENT TOMBE (Should the Wind Fall), Nora Martirosyan (Armênia) – 1h40

JOHN AND THE HOLE, Pascual Sisto (EUA) – 1h38

STRIDING INTO THE WIND (Courir au gré du vent), Wei Shujun (China) – 2h36

THE DEATH OF CINEMA AND MY FATHER TOO (La Mort du cinéma et de mon père aussi), Dani Rosenberg (Israel) – 1h40

3 DOCUMENTÁRIOS

EN ROUTE POUR LE MILLIARD (The Billion Road), Dieudo Hamadi – (Congo) – 1h30

THE TRUFFLE HUNTERS, Michael Dweck e Gregory Kershaw (EUA) – 1h24

9 JOURS A RAQQA, Xavier de Lauzanne – (França) – 1h30

5 COMÉDIAS

ANTOINETTE DANS LES CÉVÈNNES, Caroline Vignal (França) – 1h35

LES DEUX ALFRED, Bruno Podalydès (França) – 1h30

UN TRIOMPHE (The big hit), Emmanuel Courcol (França) – 1h40

L’ORIGINE DU MONDE, Laurent Lafitte (França)

LE DISCOURS, Laurent Tirard (França) – 1h27

4 ANIMAÇÕES

AYA TO MAJO (Earwig and the Witch), Gorô Miyazaki (Japão) – 1h22

FLEE, Jonas Poher Rasmussen (Dinamarca) – 1h30

JOSEP, Aurel (França) – 1h20

SOUL, Pete Docter (EUA) – 1h30

%d blogueiros gostam disto: