Titãs – A Vida Até Parece uma Festa

O filme comandado por Branco Mello e Oscar Rodrigues Alves tem tudo para ser o documentário brasileiro de maior público da história do nosso cinema. Se levarmos em conta a empolgação da multidão que se espremia na praça de Tiradentes para assistir ao longa, essa não será uma tarefa difícil. A eleição do filme como o melhor da 12ª. Mostra de acordo com o júri popular só confirma isso. Por outro lado, exemplos é o que não nos faltam de que popularidade nem sempre é sinônimo de qualidade.

O filme mostra a trajetória dos Titãs, desde seu início até os dias atuais, sem construir uma narrativa linear. As imagens (muitas delas bastante interessantes isoladamente) parecem ter sido jogadas no longa de forma aleatória e sem propósito.



Não posso negar que não deve ter sido um trabalho fácil conseguir autorizações para exibição da imagem de tantas pessoas – entre anônimos e famosos – além de remexer arquivos antigos de emissoras de TV. Só o arquivo pessoal da banda já conta com algumas pérolas impagáveis. No geral, o que vemos é um filme composto por recortes de vídeos caseiros, videoclipes, participações em programas de televisão e imagens de shows.

Quanto à emoção, “Titãs – A Vida Até Parece uma Festa” pode levar o espectador do riso às lágrimas com muita facilidade. É um filme que se dedica mais a mostrar o lado descontraído e brincalhão da banda (fazendo jus ao título), sem se preocupar em dar muitas explicações quando retrata momentos polêmicos vividos por algum dos Titãs.

Mesmo assim, o mais interessante do documentário não está nas cenas engraçadas, mas em saber como algumas situações vividas pela banda influenciaram a composição de grandes sucessos. “O Pulso” surgiu depois que Branco Mello sobreviveu a um aneurisma. “Polícia” veio da revolta da banda quando teve dois de seus integrantes presos. “Epitáfio” foi inspirada pelo choque sofrido com a morte Marcelo Fromer…

Com início e fim empolgantes, e o meio um pouco cansativo, “Titãs – A Vida Até Parece uma Festa” parece uma junção de ótimos extras de DVD capazes de contagiar qualquer fã, mas não vai muito além disso. Como filme deixa a desejar. Como espetáculo musical… Ora essa, eles continuam sendo os Titãs! Merecem respeito e um pouco de crédito.

nota: 6/10 — vale o ingresso

Titãs – A Vida Até Parece uma Festa (2009, Brasil)
direção: Branco Mello, Oscar Rodrigues Alves; com: Arnaldo Antunes, Tony Bellotto, Sérgio Britto, Marcelo Fromer, Charles Gavin, Branco Mello, Paulo Miklos, Nando Reis; roteiro: Branco Mello, Oscar Rodrigues Alves; produção: Angela Figueiredo, Paulo Roberto Schmidt; montagem: Branco Mello, Oscar Rodrigues Alves; estúdio: Academia de Filmes, Casa 5; distribuição: Moviemobz. 100 min
%d blogueiros gostam disto: